terça-feira, 30 de setembro de 2008

COMO AJUDAR UM SURDOCEGO

- Ao aproximar-se de um surdocego deixe que se perceba, com um simples toque, da sua presença.
- Qualquer que seja o meio de comunicação adaptado faça-o gentilmente.
- Combine com ele um sinal para que ele o identifique.
- Aprenda e use qualquer que seja o método de comunicação que ele saiba, mesmo que elementar.
- Se houver um método mais adequado que lhe possa ser útil ajude-o a aprender.
- Tenha a certeza de que ele o está percebendo.
- Se estiverem outras pessoas presentes avise-o quando for apropriado para ele falar.
-Avise-o sempre do que o rodeia.
- Informe-o sempre de quando vai embora, mesmo que seja por um curto espaço de tempo.
- Assegure-se que fica confortável e em segurança. Se não estiver, vai precisar de algo para se apoiar durante a sua ausência, coloque a mão dele no que servirá de apoio. Nunca o deixe sozinho num ambiente que não lhe seja familiar.
- Mantenha-se próximo dele para que ele perceba sua presença.
- Ao andar deixe-o apoiar-se no braço, nunca o empurre à sua frente.
- Utilize sinais simples para o avisar da presença de escadas, uma porta ou um carro.
- Um surdocego que apoia no seu braço percebe-se qualquer mudança do seu andar.
- Confie na sua cortesia, consideração e senso comum. É normal esperar algumas dificuldades na comunicação.

ESCREVA NA PALMA DA MÃO DO SURDOCEGO COM O SEU DEDO INDICADOR


COMO FAZER:

QUALQUER PESSOA QUE POSSA ESCREVER LETRAS MAIÚSCULAS, PODE IMEDIATAMENTE USAR O ALFABETO ACIMA INDICADO COMUNICANDO COM A MAIOR PARTE DAS PESSOAS SURDOCEGAS. TRAÇOS, SETAS E NÚMEROS INDICAM A DIREÇÃO, SEQUÊNCIA E NÚMERO DE PANCADAS. ESCREVA SÓ NA ÁREA DA PALMA DA MÃO. NÃO TENTE JUNTAR AS LETRAS. QUANDO QUISER PASSAR A ESCREVER NÚMEROS, FAÇA UM PONTO NA BASE DA PALMA DA MÃO; É O SINAL DE QUE VAI PASSAR A ESCREVER NÚMEROS.

TRADUÇÃO DE UM FOLHETO DO: HELEN KELLER NATIONAL CENTER -NOVA YORK

fonte: http://www.cezarliper.com.br/LinkDefiFisiSuAjudar.asp

2 comentários:

Camila disse...

Olá, Raquel!
Bacana as dicas sobre surdocegueira. Trabalho em uma escola de surdos e tenho um aluno surdocego. A maior dificuldade é a escolha de um canal de comunicação e a ampliação deste. Com muito amor, paciência e pesquisa, a gente consegue ajudá-los nisso.
Abração!

Fátima Nascimento disse...

Dia desses eu estava com um amigo que é cego. Na ocasião eu fingi escrever uma letra na perna (coxa) dele, mostrando a diferença entre, por exemplo, o "a" em letra bastão e a vogal "a" sem ser em bastão. Outro dia estava conversando com ele sobre Libras e exemplifiquei mostrando como sinaliza "pessoa" em Libras. Arrumei os dedos dele e passei em sua testa. Ou seja: podemos, sim, trocar informações com pessoas cegas. Temos que ter sensibilidade e boa-vontade. Meu abraço.